Medicina veterinária brasileira no combate ao COVID-19

med vet brasileira

Com o agravamento da COVID-19, segmentos distintos de profissionais da saúde estão se unindo na corrida por uma vacina ou tratamento eficaz contra o Sars-Cov-2. Entre o grupo, também estão os médicos veterinários.

Todos os medicamentos que utilizamos hoje no tratamento de doenças são previamente testados em animais, passando pelas mãos de médicos veterinários, que são encarregados de certificar a eficácia e segurança da substância antes de chegar ao mercado farmacêutico. Na busca por uma droga capaz de conter o novo coronavírus, não é diferente, com médicos veterinários por todo o mundo trabalhando para desenvolver substâncias capazes de tratar a infecção provocada pelo SARS-CoV-2.

A participação do Brasil na busca pela cura

Até agora, no Brasil, temos duas pesquisas conduzidas por médicos veterinários que vêm ganhando repercussão na mídia. Um destes estudos envolve a produção de um soro hiperimune por meio do plasma de cavalos, enquanto o outro foca na produção de um medicamento feito de nanocorpos derivados de lhamas.

Soro hiperimune

Vinculado à secretaria de estado de saúde do estado do Rio de Janeiro, o Instituto Vital Brazil (IVB) está desenvolvendo uma pesquisa comandada pelo médico veterinário Luiz Edurdo Ribeiro da Cunha sobre um soro produzido por meio do plasma sanguíneo de cavalos infectados com o SARS-Cov-2.

O estudo envolve a inserção do vírus em 10 cavalos para estimular a criação de anticorpos. Cinco deles receberam a proteína S (espinho) do Sars-Cov-2, enquanto os outros cinco foram expostos a amostras inativadas do vírus. A produção dos anticorpos deve acontecer entre 4 a 6 semanas a partir do momento que os animais foram infectados.

Com a presença dos anticorpos, o plasma extraído destes cavalos passará por um processo industrial para o desenvolvimento de uma droga que deve neutralizar o vírus. Tal método já é utilizado para produção de outros soros, como o antirrábico, ou para venenos de animais peçonhentos através do plasma destes equinos.

Se bem sucedido, o medicamento poderá ser utilizado em praticamente todos os níveis da doença COVID-19, auxiliando desde a pacientes com sintomas leves, até os indivíduos que desenvolvem a forma mais grave da infecção.

Segundo Luiz Eduardo Ribeiro: “com certeza o médico-veterinário, com todo o seu conhecimento em virologia e imunobiologia, é importantíssimo neste projeto. Desde todo o conceito de saúde única, levando em consideração até mesmo a origem do vírus, que pode ser uma zoonose, passando pela sanidade e o bem-estar dos animais, a produção do soro hiperimune e o controle de qualidade”.

O M.V. ainda destaca que os cavalos são exemplares perfeitos para condução de um estudo deste tipo, considerando que a espécie é encontrada facilmente em todo o mundo, o que permite a padronização do soro, além serem excelentes doadores de sangue.

Os animais estão recebendo todos os cuidados essenciais para que seu bem-estar seja mantido durante o período de pesquisa… “Os cavalos são bem tratados e bem alimentados, além da questão sanitária. Tomamos todos os cuidados para que o organismo não seja afetado. As hemácias voltam para o corpo do animal, porque o que nos interessa é o plasma, que é o material-base do nosso trabalho”, informa.

Nanocorpos de lhamas

Na Bélgica, um grupo de pesquisadores estadunidenses e alemães publicaram um artigo na revista científica Cell, relatando a imunização de uma lhama batizada de Winter, que havia sido infectada com uma mistura de proteínas do Sars-Cov-2.

Após ter contato com o vírus, o animal produziu nanocorpos que foram capazes de neutralizar o agente, não somente em seu organismo, mas também em estudos in-vitro.

Utilizando a publicação belga como referência, cientistas da Unesp de Botucatu desenvolveram um projeto para criar um medicamento através dos nanocorpos gerados como resposta imune na lhama.

Nanocorpos de camelídeos já são utilizados na medicina em casos de doenças degenerativas, e seu uso é investigado para tratamentos de outros vírus como HIV e influenza.

O estudo está sendo coordenado pelo médico veterinário Rui Seabra Ferreira Júnior, que conta com uma equipe formada por médicos, farmacêuticos, bioquímicos, biólogos e outros sete veterinários.

Segundo Seabra: “uma vacina faz com que o organismo humano seja capaz de produzir anticorpos contra a doença. A gente vai ‘vacinar’ as lhamas para que elas produzam os anticorpos que a gente quer. O soro, se der certo, já age como um tratamento”.

Entretanto, como as pesquisas até o momento foram feitas apenas no modelo in-vitro e ainda não há como ter certeza quanto à eficácia do tratamento: “a pesquisa básica da Bélgica nos mostra que ele é eficaz in-vitro. Logicamente, na hora que colocar no corpo humano, pode não ter uma percentagem de neutralização grande. Os estudos vão mostrar qual é a melhor dose para cada tipo de paciente, se há diferença de dose para pacientes graves ou com sintomas iniciais”, explica o médico veterinário.

Seabra ainda enaltece que a medicina veterinária talvez seja uma das profissões mais adequadas para realizar esse tipo de estudo, pois o médico veterinário possui capacitação para entender componentes básicos de uma doença por meio de suas características bioquímicas, imunológicas, patológicas e fisiológicas.


Fontes: CFMVCRMV-SPCRMV- RJ e revista científica Cell, adaptado pela equipe VeteduKa.

Gostou do artigo? Acesse nosso blog para ter acesso a outros materiais como este!

25 de abril: Dia Mundial da Medicina Veterinária

Instituído no ano 2000 pela World Veterinary Association (Associação Mundial de Medicina Veterinária), o dia mundial da medicina veterinária celebra seus 20 anos, dessa vez com o tema “Proteção Ambiental Para Melhoramento da Saúde Humana e Animal”.

O evento ocorre anualmente, sempre no último sábado de abril e tem como objetivo enaltecer a medicina veterinária e todos os profissionais inseridos nela com suas funções de preservação e tratamento dos animais. Cada edição do evento aborda um tema diferente relacionado à veterinária, incentivando novas pesquisas e discussões entre os participantes com a finalidade de proporcionar melhoramentos para a profissão em escala mundial.

O veterinário, ou equipe de veterinários, que promover a melhor contribuição relacionada ao tema será condecorado com o Prêmio do Dia Mundial da Medicina Veterinária e receberá uma bonificação de $2500,00.

Em 2019, o tema escolhido pela WVA (World Veterinary Assosiation) foi “A Importância da Vacinação”.  A Associação de Medicina Veterinária de Uganda foi a vencedora da edição, apresentando um projeto de vacinação em grande escala, contemplando diferentes espécies e promovendo eventos públicos para conscientização da população ugandense sobre a importância da vacinação e do trabalho desempenhado por médicos veterinários.

Neste ano, o tema é “Proteção Ambiental Para Melhoramento da Saúde Humana e Animal”. Segundo a WVA, “os veterinários, em seu papel de defensores da saúde e bem-estar animal, têm uma responsabilidade e a oportunidade de proteger nosso meio ambiente para as gerações futuras. […] Suas ações podem ajudar a mitigar os efeitos das mudanças climáticas, garantir o descarte adequado de medicamentos e apoiar o uso responsável dos recursos naturais (por exemplo, água e ração) necessários na criação de animais”.

O tema proposto é de alta relevância, considerando que os médicos veterinários têm um papel importantíssimo e crucial para a saúde única, envolvendo a tríade: saúde ambiental, saúde animal e saúde humana.

A medicina veterinária é feita por profissionais apaixonados que mesmo em meio à crise sanitária que estamos vivendo, continuam trabalhando e prestando atendimento a todos os animais necessitados que chegam aos seus consultórios. Portanto: feliz dia da medicina veterinária e parabéns a todos os médicos veterinários espalhados mundo afora!

Clique aqui para ir até o site da WVA e ler outras notícias sobre o dia mundial da medicina veterinária.

Organização: sua melhor aliada para conquistar qualquer objetivo

Organizar-se é o primeiro passo para a conquista de qualquer objetivo, seja ele relacionado a estudo ou não. Entretanto, nem sempre conseguimos fazer isso de maneira ideal.

A falta de organização pode gerar inúmeros obstáculos na trajetória rumo a uma meta. Se você percebe que ainda não desenvolveu uma rotina que inclua hábitos organizacionais, esse é o momento para refletir sobre suas ações.

A seguir, discutiremos sobre a importância de se manter organizado(a) e como fazer para melhorar sua capacidade de se organizar.

Tenha em mente as consequências de uma rotina desorganizada

Iniciar a trajetória para o cumprimento da um novo objetivo é, sem dúvidas, algo muito empolgante e motivador. Porém, muitas vezes esquecemos que é necessário nos organizar e pulamos essa etapa obrigatória para o desenvolvimento de qualquer projeto pessoal ou profissional.

O estabelecimento de um plano de atividades/trabalho ou um cronograma é crucial para a definição de o que fazer primeiro, quando fazer e de que forma fazer. Entretanto, a falta de organização pode pôr a perder até mesmo o melhor dos planejamentos.

Fatores como atrasos na realização de tarefas, acúmulo de afazeres, ansiedade, estresse e o sentimento de “poderia fazer melhor” podem ser sintomas da falta de organização no desenvolvimento de um projeto.

Vantagens de manter uma rotina organizada

Com uma rotina organizada, as tarefas não ficarão acumuladas e nem serão deixadas para última hora, ou seja, seu tempo será muito mais bem aproveitado.

A otimização de seu tempo, por sua vez, proporcionará mais momentos livres. Até mesmo os pequenos intervalos são bem-vindos em momentos de estresse. Além disso, você terá mais tempo para lazer, atividades físicas ou artísticas, ou uma margem mais confortável para conciliar os imprevistos que porventura apareçam e ameacem o seu planejamento e cronograma, como por exemplo um mal-estar ou doença.

É certo de que para obter sucesso é necessário esforço, mas não sacrifício. Mantendo-se organizado(a), seus momentos de estudo serão muito mais proveitosos, com menos falhas e conteúdos atrasados, proporcionando uma rotina mais tranquila e com menos estresse.

Por onde começar

Portanto, até aqui já é fácil de perceber que todo seu desempenho será prejudicado com a falta de organização, certo? Se você não sabe por onde começar, vamos dar algumas dicas de como fazer para melhorar.

Analise sua rotina

Primeiramente, realize uma análise geral de sua rotina. Envolva todas as tarefas cotidianas desempenhadas durante a semana, como seus momentos de lazer, exercícios, descanso, saúde entre outros. Depois disso, considere todas as suas atividades necessárias para o êxito de seu objetivo (é importante ser o mais detalhista possível, tanto às suas obrigações quanto às suas atividades rotineiras.)

Em seguida, organize-as de maneira que você consiga cumpri-las, dando prioridade às julgadas por você mais importantes alcançar sua meta.

Clique aqui e saiba mais sobre como fazer uma análise de rotina completa em um artigo que preparamos exclusivamente para isso.

Essa análise tem o objetivo de promover um melhoramento contínuo em sua rotina, visando aprimorar sua organização, disciplina, tomadas de decisão definição de novas metas e limites a serem seguidos.

Saiba quais são os fatores internos e externos que influenciam em sua rotina

É importante pensar sobre os fatores que possam interferir na sua rotina, tanto os fatores internos quanto os externos. Estes últimos são cruciais, já que muitas vezes fogem ao seu controle.

A seguir, analise quais desses fatores são prejudiciais. É menos complicado alterar os fatores internos, tais como maus hábitos ou problemas de disciplina. Na maioria das vezes, problemas vindos de seu ambiente interno podem ser corrigidos por você, sem precisar da ajuda de terceiros.

Mas como proceder em relação a um fator externo sobre o qual você não exerce influência? A melhor solução é encontrar uma forma de contornar o problema. Por exemplo, se você perde um número considerável de horas de seu dia se deslocando de um local para o outro, que tal tentar encontrar uma maneira de aproveitar esse tempo? Se você utiliza transporte público, leia um livro enquanto está se locomovendo. Outra alternativa é ouvir um podcast sobre uma matéria importante enquanto você está no trânsito ou caminhando para chegar até em casa.

Uma forma interessante de ter essa perspectiva é fazendo uma análise SWOT. A matriz SWOT consiste na análise de forças, oportunidades, fraquezas e ameaças, englobando praticamente todos fatores internos e externos presentes em sua rotina.

Acabe com o hábito da procrastinação

Muitos estudantes são afetados por este hábito vicioso, que é um dos maiores vilões quando se quer otimizar o tempo. Portanto, minimizar a procrastinação é algo muito relevante para organizar sua rotina de modo geral.

Diferente do que muitos pensam, a procrastinação não acontece somente devido à preguiça. Muitos outros fatores influenciam diretamente na frequência em que este hábito ocorre na vida de estudantes.

Se você é um “procastinador”, tenha em mente que esse hábito é algo muito prejudicial e não será mudado completamente do dia para noite. Portanto, medidas precisam ser tomadas para mudar essa situação. Clique aqui para saber mais dicas valiosas para sanar este problema.

Com todas as informações levantadas até aqui, pode-se concluir que a organização é uma das, senão a característica mais importante para conquistar qualquer objetivo, seja ele relacionado a estudos ou não. Então, faça dela sua aliada e utilize o conteúdo mostrado neste artigo para aproveitar melhor seu tempo e otimizar seus resultados enquanto estiver estudando ou trabalhando em um projeto pessoal!

Acesse nosso blog para ler outros artigos como este!

Dicas essenciais para mudar seus hábitos e procrastinar menos nos momentos de estudo

Neste artigo refletiremos sobre o que é a procrastinação, quais são suas causas e como fazer para superar este hábito vicioso.

O que é

Em poucas palavras, a procrastinação é o hábito de deixar tarefas importante para a última hora. Quando você tem um evento importante, como uma prova ou trabalho da faculdade, e deixa para estudar no dia anterior, isso é um ato de procrastinação.

 

Isso ocorre porque nosso cérebro tende a dar preferência para coisas prazerosas e divertidas na qual dificilmente, aquele relatório acadêmico sobre bioquímica entrará.

Causas

Diferente do que muitos pensam, a procrastinação não acontece somente devido à preguiça. Muitos outros fatores influenciam diretamente na frequência em que este hábito ocorre na rotina de estudantes

Quando estamos na escola, sempre há alguém – professores ou familiares – cobrando para que nossos deveres sejam feitos. Portanto, desde o ingresso no sistema de ensino nos acostumamos com a ideia de precisar fazer algo, justamente por ter alguém cobrando isso de nós. Quando ingressamos na faculdade, nos deparamos com um ambiente novo, com novas obrigações, mas sem ninguém para nos cobrar quanto a elas. Na educação básica não somos ensinados a fazer nossas tarefas pelo simples motivo de elas precisarem ser feitas, e isso pode ser visto como uma falta de disciplina.

Insegurança e perfeccionismo também são fatores que levam estudantes à procrastinação, devido à exigência de uma performance impecável e medo de falhar. Esse sentimento de insegurança pode resultar no ato de procrastinar.

O que fazer para parar de procrastinar

Na maioria das pessoas, procrastinar resulta em muita frustração, já que após concluir sua tarefa, um sentimento constante de “poderia ter feito melhor” vem à tona.

Se você tem esse hábito, é importante procurar meios para corrigí-lo. A seguir daremos algumas sugestões que podem lhe ajudar.

1 – Saiba o que te dá motivação

Objetivos futuros podem ser seus aliados nos momentos em que você precisa manter o foco.

Tire um tempo para pensar sobre isso e lembre-se deles enquanto estiver estudando.

Se um de seus objetivos for ser aprovado(a) em um programa de residência, por exemplo, escreva-o em um lugar de fácil visualização para servir como um incentivo a mais para manter o foco.

2 – Tome cuidado com as distrações

Provavelmente, você já sabe que para manter o foco é necessário minimizar o máximo possível de distrações.

Para isso, não basta apenas ficar longe de seu celular e computador. Manter um ambiente de estudos limpo e organizado também é importante para que não ocorra nenhum desvio de foco enquanto você estiver tentando ser produtivo(a).

3 – Organize sua rotina e crie um ciclo de estudos

Essa é uma dica bastante simples e fácil de ser colocada em prática. Com planejamento, você desenvolverá um senso de urgência para fazer suas tarefas. Isso pode ser de grande ajuda se você tem o hábito de procrastinar.

Portanto, é importante fazer a divisão desse planejamento em duas etapas. A primeira se trata de uma análise de rotina, em que você deve considerar todas as atividades que demandam tempo em sua rotina e organizá-las de maneira prática. A segunda consiste na construção de um ciclo de estudos, uma alternativa interessante para estudantes que se difere do método de organização tradicional em cronograma/agenda.

Clique aqui para saber como construir um ciclo de estudos adequado.

4 – Segmente seus objetivos

Segmentar seu objetivo principal em tarefas menores, e mais importante, possíveis de serem concluídas, também servirão de incentivo para concluir tarefas pendentes.

Se você definir que é necessário se comprometer mais com uma determinada matéria, proponha-se a estudar um capítulo por semana e fazer um resumo do que foi lido. Isso vai torná-la uma tarefa menor e mais simples de ser cumprida, concorda? Após a conclusão, crie outras pequenas tarefas e cumpra-as gradualmente.

5 – Dê recompensas a si mesmo.

No começo do artigo, explicamos que a procrastinação ocorre porque nosso cérebro sempre dará preferência a coisas divertidas e prazerosas, mesmo nos momentos em que precisamos nos concentrar. Portanto, é importante dar recompensas a si mesmo como forma de incentivo.

Estabeleça condições para si mesmo para ganhar estas recompensas. Por exemplo: se você conseguiu estudar todo o conteúdo programado para a semana, faça algo que lhe traga prazer, como comprar algo que você queira ou se divertir com um grupo de amigos, como forma de recompensa por ter mantido o foco e cumprido seu objetivo até aqui.

A procrastinação é um problema bem mais comum do que você imagina, atingindo vários estudantes. O segredo para vencê-la é saber como sua mente funciona e usar as dicas apresentadas aqui para potencializar sua capacidade de disciplina e concentração.

Se você é um procastinador, tenha em mente que esse hábito é algo vicioso e não será mudado completamente do dia para noite. Portanto, tenha persistência e dedique-se em aplicar pequenas mudanças em seus hábitos para aprender a se manter focado(a) por mais tempo.

Gostou do artigo? Confira o blog da VeteduKa para acessar outros conteúdos como este.

Você já ouviu falar em análise SWOT? Conheça essa técnica de planejamento estratégico que pode mudar a sua vida

A análise SWOT é uma ferramenta poderosa de planejamento estratégico que pode ser usada para organizar novos projetos pessoais ou profissionais, como por exemplo, a aprovação em um processo seletivo, podendo ser a prova da residência.

Mas afinal, o que quer dizer a sigla SWOT?

Segundo Philip Kotler, professor universitário estadunidense especialista em administração:

“A avaliação global das forças, fraquezas, oportunidades e ameaças é denominada análise SWOT (dos termos em inglês strengths, weaknesses, opportunities, threats.)

Em português, a matriz SWOT pode ser traduzida para Análise das Forças, Oportunidades, Fraquezas e Ameaças, sendo popularmente chamada de análise FOFA ou matriz FOFA.

E no que consiste a análise SWOT?

A matriz SWOT, ou FOFA, é uma ferramenta de gestão de novos projetos, sendo uma estratégia de aplicabilidade fácil e rápida, com impactos positivos já a curto prazo.

A análise é feita a partir de uma análise de fatores internos e externos.

As forças e as fraquezas fazem parte da análise interna, tendo seus pontos positivos e negativos que devem ser interpretados como relevantes ou não para o objetivo.

Na maioria das vezes, os fatores internos podem ser modificados, já que são coisas que estão sob seu controle, diferentemente dos fatores externos, que são baseados em oportunidades e ameaças.

Julga-se como fator externo tudo que foge de seu controle, podendo variar das mais diversas formas. Por exemplo: se você perde algumas horas de seu dia no trânsito para ir ao trabalho, isso é um fator externo, supondo que você dependa de seu trabalho para se manter e não possua outra alternativa, senão exercê-lo todos os dias.

O resultado dessa análise resulta em uma matriz 2×2, que aborda todos os pontos de análise quanto os fatores internos/externos e positivos/negativos. Analisando essa matriz, você obtém um panorama de possibilidades que podem determinar o sucesso do seu projeto.

(Imagem de Rockcontent)

Para que serve a análise SWOT?

Em poucas palavras, a matriz FOFA permite tomar escolhas com maior chance de acerto, proporcionando ideias de estratégias diferentes para que seu projeto seja bem sucedido.

Ao examinar os fatores internos, é possível identificar suas principais vantagens, que podem ser potencializadas e indicam que você está progredindo. Quanto as fraquezas, a partir da análise você pode julgar o que precisa ser feito para melhorar em prol do sucesso a longo prazo de seu projeto. Como já dizia Sócrates, “conhece-te a ti mesmo”.

Por mais que existam muitas coisas fora de seu controle no ambiente externo, com a análise, é possível que você se planeje para contornar eventuais obstáculos.

A matriz SWOT possibilita que você gere insights que provavelmente não haviam sido notados antes. Adotando assim novas medidas que evitam que seu projeto seja prejudicado.

Como fazer a análise SWOT?

Como já citado anteriormente, a aplicação da análise SWOT é bastante simples. Veja este passo a passo de como aplicar o SWOT em um novo projeto:

1. Faça um brainstorm sozinho(a) ou com outras pessoas que irão participar projeto;

Agilidade é a definição perfeita para essa etapa. Não se prenda a dados e referências 100% precisas, como se estivesse fazendo um trabalho acadêmico. O objetivo é levantar informações e pontos importantes do projeto, de maneira realista a suas possibilidades do momento.

2. Defina seus fatores internos;

A análise precisa iniciar voltada para você mesmo, que conhece suas forças e fraquezas. Essa análise possibilita colocar em vantagem ou desvantagem em relação a seus concorrentes. Então, por exemplo: se pretende prestar um processo seletivo (como a prova da residência), é importante ter informações sobre seus concorrentes. Por isso, embora a análise interna seja focada em você, é importante ficar atento a outras pessoas que visam o mesmo resultado.

Veja alguns exemplos de características para analisar fatores internos:

  • Seu ambiente pessoal e familiar;
  • Questões de saúde, tanto físicas quanto mentais;
  • Recursos financeiros;
  • Gestão de tempo livre;
  • Capacidade de produção;
  • Limitações pessoais;
  • Materiais e estrutura necessários para o projeto.
3. Defina seus fatores externos;

Estes fatores não podem ser controlados por você, ou seja, eles apenas estão lá. Entretanto, é importante analisá-los para estar preparado(a) em eventuais imprevistos ou surgimento de novas oportunidades.

Os fatores externos podem ser divididos em duas categorias: presentes no microambiente e macroambiente.

O microambiente refere-se às influências próximas a você. Essas podem ser pessoas que compartilham da mesma esfera social que você, ou até mesmo seus concorrentes.

Já o macroambiente diz respeito ao que está além do seu campo de interação, envolvendo questões naturais, demográficas, econômicas e socioculturais.

4. Monte a matriz;

Após realizar a etapa 1, aponte todos os dados levantados na matriz 2×2 que foi mostrada anteriormente, isso proporcionará uma visualização rápida de todas as informações de que você precisa.

Nos quadrantes superiores da matriz, ficam os fatores internos (forças e fraquezas). Já nos quadrantes inferiores, coloque a análise externa (oportunidades e ameaças). Evite informações desnecessárias e textos muito longos, priorizando apenas o que é mais relevante para obter sucesso em seu projeto.

A partir daí, é possível ter uma noção clara do que você precisa analisar e fazer conexões entre essas informações para criar estratégias.

5. Defina a viabilidade do projeto;

A análise SWOT é um excelente indicativo para você tirar seu projeto do papel, entretanto, a partir dela também é possível visualizar se o que você idealizou é viável ou não.

Caso você trace sua matriz e conclua que agora não seja um bom momento para iniciar, vale a pena adotar medidas para reverter este quadro e começar quando você conseguir atender a todos os requisitos mínimos que esse novo projeto vai demandar.

6. Trace uma estratégia inicial.

Por fim, utilize todo o planejamento feito até aqui para traçar sua primeira estratégia.

De maneira geral, sua estratégia precisa focar os seguintes objetivos:

  • Pensar em suas forças que podem ser impulsionadas;
  • Pensar em uma maneira de controlar, ou até mesmo superar seus pontos fracos (se tratando de seu objetivo);
  • Desenvolver um planejamento que permita aproveitar novas oportunidades;
  • Reduzir o risco de fatores que ameaçam o desenvolvimento de seu projeto.

Cruze todos quadrantes com dados da matriz para pensar em novos objetivos e estratégias a serem desenvolvidas. Por exemplo:

  • Forças + Oportunidades
  • Forças + Ameaças
  • Fraquezas + Oportunidades
  • Fraquezas + Ameaças

Conclusão

A análise SWOT é rápidafácil e útil.

Além de facilitar o processo de tomada de decisão, a matriz FOFA é um excelente meio de você se autoconhecer e enxergar suas principais qualidades e pontos a serem melhorados.

Com as estratégias, é possível organizar o tempo que você tem disponível para trabalhar em seus projetos, e ao mesmo tempo, estar preparado para obstáculos que possam surgir em sua trajetória.

Gostou da análise SWOT? Então faça um levantamento de dados para construir sua primeira matriz e use-a para dar seu primeiro passo rumo aos seus objetivos!

Dicas importantes de como estudar para provas!!

Existem métodos e conselhos adaptados para cada pessoa. Desta forma, estudar bem é primeiro conhecer-se bem. Ser eficaz é organizar-se e escolher métodos de trabalho que se adequem a você. Assim sendo, você terá resultados que correspondem às suas expectativas.

Link: https://pixabay.com/pt/beijing-biblioteca-preto-e-branco-1877354/

Organizar-se antes de começar e conhecer seus próprios limites de concentração.

Se você estuda para passar em uma prova, é importante analisar o tempo que você tem até os testes, e assim, organizar você de acordo. Não é permitido revisar no último momento.

Testar suas habilidades de concentração permitirá que você estude com mais eficácia, conheça seus próprios limites antes de começar.

Seja e fique positivo

Para ajudá-lo a ser positivo, lembre-se destas coisas:

  • Você estuda para aprender, escolheu esses estudos e é um prazer enriquecê-lo com novos conhecimentos.
  • Você diz e repete que terá sucesso porque gosta desse aprendizado que lhe permitirá praticar o trabalho que está considerando para você.
  • Você terá sucesso porque trabalha com coragem, entusiasmo e motivação.
  • Não se preocupe com outros alunos. Tenha em mente que cada indivíduo tem seu próprio ritmo, não se compare aos outros. Trabalhe como quiser com base nas suas habilidades de concentração.
  • Não se concentre nos resultados que você precisa alcançar; isso traz estresse. Concentre sua energia positiva em seus estudos e os métodos que você usará e adaptará para você.

Prepare um plano de estudos

Você sabe a quantidade de materiais que você precisa para estudar e seus limites de concentração.

  • Projetar uma agenda de estudos e revisões em plena consciência de suas habilidades de concentração.
  • Defina seus estudos por mês, por semana e por dia para cada assunto. Ao se organizar, você economizará muito tempo e reduzirá muito seu estresse.
  • Faça uma lista precisa do que você estudará em relação à sua agenda durante a sessão e verifique como ela é feita.
  • Não se esqueça de incluir o horário na sua agenda para ventilar sua mente, respirar, caminhar ou praticar esportes pelo menos três vezes por semana.
  • Inclua um estilo de vida saudável em sua vida diária, coma bem e durma bem. Estar fisicamente e intelectualmente apto para melhorar a memória.
  • Respeite sua agenda de trabalho e relaxamento regularmente. Revise ao mesmo tempo que permite a autodisciplina. Você terá orgulho de cumprir tudo isso.

Use vários métodos de revisão

Experimente vários métodos para ajudar você a entender e definir os que funcionam melhor para você. Variar os métodos também é aprender com mais prazer, é dar todas as chances de sucesso.

Alguns lembretes dos melhores métodos de aprendizagem.

  • Leia as informações e faça anotações, faça cartões, etc.
  • Repetição de inscrição em folhas brancas
  • Crie adesivos para por na geladeira
  • Mapeamento mental: para entender e reter informações de forma sustentável
  • Lei de Pareto: Selecionando o essencial para lembrar
Link: https://pixabay.com/pt/mulher-livro-ler-biblioteca-young-2701154/

Recursos de ajuda mútua

Enriqueça seu aprendizado aprendendo de maneiras diferentes. Busque informações adicionais.

  • Procure ajuda de professores
  • Pesquise documentos ou livros na biblioteca
  • Faça perguntas ao seu colega mais próximo
  • Trabalhe em um grupo de estudantes para trocar

 

Muitas pessoas se dão bem estudando em grupo, outras não. Avalie o seu caso.

 

Fontes

 

https://estudareaprender.com/10-dicas-para-estudar-e-aprender-mais-facil/

 

https://www.hotcourses.com.br/study-abroad-info/essentials/dicas-sair-bem-nas-provas/

 

https://www.unasp.br/blog/como-estudar-para-provas/

Como realizar uma apresentação excepcional!!

Se você pular e enfrentar o sentimento de medo, essa sensação de assumir riscos que muitas pessoas sentem, coisas realmente surpreendentes podem acontecer.

Link: https://pixabay.com/pt/confer%C3%AAncia-falar-em-p%C3%BAblico-2705706/

Muitas vezes, a perspectiva de fazer uma apresentação cria uma forte sensação de estresse e nervosismo. Este é o seu caso? Aqui estão algumas dicas para fascinar o seu público!

Não deixe espaço para improvisação

Uma apresentação oral é preparada com bastante antecedência, nada deve ser deixado ao acaso. Como primeiro passo, defina sua meta: que mensagem você deseja transmitir? Em seguida, anote os diferentes elementos que você deseja incluir no discurso.

Para começar, grave tudo que você precisa falar. Quando tiver certeza de que não esqueceu nada, você pode planejar seu discurso. É melhor definir uma diretriz, um quadro a ser respeitado do começo ao fim.

Depois de organizar suas ideias, você poderá iniciar simulações que lhe darão uma ideia clara do seu tempo de conversação.

Conheça o seu público

Se você tem que apresentar um projeto para potenciais investidores ou apenas fazer uma apresentação na frente de seus colegas? Coloque-se no lugar do seu público: quem são eles? O que eles estão esperando?

Que tipos de informação eles estão procurando? Considere também o vocabulário usado: alguns termos em sua área podem parecer óbvios para você, mas não serão para seu público.

Algumas perguntas para se fazer:

  • Quais serão as expectativas do meu público?
  • Qual é o ponto mais importante da minha apresentação?
  • Quais são as possíveis perguntas que podem ser feitas?
  • Meu público se lembrará desta apresentação em algumas semanas?
Link: https://pixabay.com/pt/escrito-caneta-homem-tinta-papel-1149962/

Não fique em segundo plano com suas ferramentas

Atenção, é muito importante certificar-se de que seus equipamentos e materiais funcionam perfeitamente, seja o computador, o retroprojetor ou os cabos.

 

Uma apresentação oral bem-sucedida também requer um bom suporte do PowerPoint. Tenha cuidado, no entanto, que seus slides não chamam a atenção do seu público. Seus slides devem destacar o que você diz, nunca o contrário.

 

Se você preferir ter seu plano em uma folha, evite ser muito dependente: Quanto menos ler, melhor!

 

Pouco antes da apresentação concentre sua energia na sua respiração

Chegou o Dia D, então é essencial gerenciar suas emoções. A sensação de estresse que precede o seu discurso é normal, mas você deve domesticar esse sentimento. Em particular, você pode fazer exercícios de respiração abdominal que o ajudarão a relaxar antes de subir ao palco.

 

Um exercício para repetir três vezes seguidas, para aliviar o estresse:

 

  • Respire fundo pelo nariz e deixe a barriga inchar
  • Expire lentamente pelo nariz, retraindo a barriga, pressionando suavemente sua barriga no final da expiração.

 

Seja convincente nos primeiros 5 segundos

Preste especial atenção à sua apresentação: se você passar este teste com folga, ficará automaticamente confiante para o futuro e terá toda a atenção do seu público.

Link: https://pixabay.com/pt/mic-microfone-passagem-de-som-1132528/

Aqui estão 3 ideias para iniciar sua apresentação:

  • Faça uma pergunta aberta ao público: “Você já se perguntou por que… (alguma coisa)?”
  • Dê figuras, estatísticas ou faça uma declaração simples
  • Refira-se à notícias, um fato recente.

Enfim, para convencer seu público, seja ele formado por colegas de sala ou não, sinta-se confiante em si próprio.

Fontes

http://gutemberg.com.br/gutemberg/como-fazer-uma-apresentacao-excepcional/

https://endeavor.org.br/marketing/powerpoint/

https://posgraduando.com/como-fazer-uma-apresentacao/

Como adequar a vida social com a vida acadêmica!

A transição da faculdade para a universidade implica uma mudança na rotina, novos hábitos acadêmicos, integração em um novo círculo social, o início de um projeto de vida profissional, entre outros fatores determinantes que, de vez em quando, podem se tornar preocupações para os alunos. Alunos que estão prestes a iniciar uma carreira universitária.

72% dos estudantes trabalham meio período enquanto estão na universidade. Não é de admirar! A combinação de educação e trabalho não é feita para todos, e a reconciliação entre eles pode ser difícil. Vida social? Nem se fala nesses casos.

Para tornar as coisas um pouco mais fáceis, aqui estão algumas dicas para equilibrar a vida social com os estudos.

Link: https://pixabay.com/pt/laptop-mulher-educa%C3%A7%C3%A3o-estudo-3087585/

Estabeleça um planejamento.

Quantas horas você tem que trabalhar para cumprir seus compromissos financeiros? Você quer terminar seus estudos o mais rápido possível ou você está mais lento, sem um prazo em mente?

 

Considerando sua personalidade, metas e responsabilidades, desenvolva um plano realista que garanta seu sucesso.

 

Aproveite a flexibilidade do seu local de trabalho.

Pergunte ao seu chefe sobre horários flexíveis ou horários reduzidos. Aproveite os programas de salário diferido, licença ou compartilhamento de trabalho. Encontre uma programação de meio período que atenda às suas necessidades.

 

Convença-se que você não pode fazer tudo

É muito importante aprender a delegar as tarefas e, acima de tudo, fazê-los com cabeça. Se trata de coordenar as tarefas de tal maneira você não fique sobrecarregado.

Link: https://pixabay.com/pt/pessoas-meninas-mulheres-estudantes-2557396/

Conciliar a vida pessoal e acadêmica é uma boa parte disso. Quando você alcançar um equilíbrio entre ambos, você terá mais tempo para se dedicar ao seu tempo de lazer.

Crie uma rotina

Criar uma rotina significa estabelecer horários onde as coisas se encaixarão em sua vida. Não deixe tudo ao acaso, planeje tudo, inclusive com a possibilidade de imprevistos.

Organize o seu tempo

A organização eficaz do tempo traz certas vantagens que geralmente passam despercebidas para a maioria das pessoas, porque acreditamos que as únicas são: mais tempo livre, mais produtividade e agora.

Existem muito mais benefícios que essa ferramenta poderosa pode nos oferecer em nossas vidas.

Aumentar significativamente a produtividade: Em termos simples, significa ser capaz de fazer mais coisas (e até bem feito) em menos tempo do que nos levaria sem técnicas para organizar o tempo, porque seria inútil fazer muitas coisas rapidamente, mas sem fazê-las bem, porque na verdade não serve de nada.

Tenha um Melhor equilíbrio

O equilíbrio na vida é um dos aspectos que considero mais importante para qualquer um. Em termos simples, o equilíbrio pessoal é sobre todas as áreas da nossa vida sendo satisfeitas de uma maneira boa por nós.

Desta forma, se uma pessoa se concentra muito em seu trabalho e, portanto, negligencia sua saúde e família, ela pode ter um monte de dinheiro, mas não tem sua vida em equilíbrio. E assim, certamente não será feliz.

Por ter mais tempo livre, você será capaz de ser mais equilibrado. Isso ocorre, porque você será capaz de se dedicar a atender a essas áreas importantes da sua vida. Pense em tudo isso e tente por em prática.

Link: https://pixabay.com/pt/computador-pc-local-de-trabalho-1185626/

Entrevista com Profissionais – Prof. Ana Laura D´Amico

Entrevistamos a Medica Veterinária  Ana Laura D´Amico, formada na PUC-PR, realizou residencia na mesma instituição na área da Patologia Clinica…E não parou por ai, fez especializações e mestrado na mesma área. Hoje trabalha como professora da Veteduka, Professora da UTP, Professora da Qualittas e é Diretora do Laboratório Veterinário Próvita.

A ENTREVISTA!!

P: Ao fim da graduação você se sentia insegura quanto ao início da tua carreira?
R: MUITO! É engraçado como durante toda a faculdade o maior desejo dos alunos é que ela acabe logo. Comigo não era diferente. Muitas provas, muitas disciplinas ou professores que não são do nosso agrado…. Comigo não foi diferente! Passei por esse mesmo sentimento até que no último semestre vem aquela noção de: Caracas, está
acabando e eu não sei NADA! A minha sorte foi que durante toda a faculdade sempre fiz muito estágio e isso me fez aprender muito e encontrar a minha área de paixão: a Patologia Clínica. Mas vejo muitos alunos que chegam no último ano e ainda não sabem o que querem dentro da veterinária. Isso deve ser muito desesperador.

P: Você acha que construir um currículo desde cedo é importante? Como o aluno pode
fazer isso?
R: Com toda certeza! Eu queria muito ter tido alguém que me falasse já no primeiro período de faculdade: pense no seu currículo!!!!! Infelizmente, a gente costuma perceber que não tem nada no currículo no final da faculdade e aí já é tarde para construir uma formação sólida. O currículo é uma das etapas de pontuação em processos seletivos para residência, especializações, mestrado e doutorado. Ter um currículo sólido é fundamental. Participar de eventos, organizar palestras, fazer monitorias, muitas horas de estágio, língua estrangeira e publicações são algumas das coisas que pontuam um bom currículo e que eu consegui fazer durante a faculdade.

P: Faz sentido fazer cursos de atualização desde a graduação? Cursos EAD podem ser
uma opção?
R: Faz sentido fazer cursos de atualização a qualquer momento da vida! Durante a graduação sinto que esses cursos serão muito mais aproveitados se você já teve a disciplina, uma vez que a carga horária é menor do que a da faculdade e alguns conceitos são passados de forma bem rápida. Os cursos EAD se tornam uma ótima opção, já que você faz o seu horário e o custo é baixo. Porém, EU não sou uma boa aluna para EAD. Sou muito indisciplinada para isso! Hehehhee…. preciso ter um caderno, anotar tudo, olhar no olho do professor, se não eu viajo nos pensamentos assistindo a aula online. Bom, ainda bem que da pra voltar várias vezes. Hehehe!

P:Você considera a realização da tua residência ter sido importante na tua carreira? Porque? Qual o principal beneficio que ela trouxe?
R: A realização da residência mudou a minha vida. Quando decidi fazer residência só queria em um lugar e só tentei la. Era uma vaga! Olha que loucura? Tinham nove pessoas inscritas, incluindo uma japonesa melhor aluna da minha turma. Quase cai pra trás quando vi o nome dela. Mas era o que eu queria! Era o meu sonho! Passei 30 dias fechada dentro de casa sem celular, sem computador e com mil livros e apostilas e estudei toda matéria diversas vezes antes da prova. Quando vi que eu era a aprovada, fiquei um bom tempo chorando sem acreditar. Tudo isso valeu muito a pena. Durante a residência aprendi MUITO, tanto tecnicamente quanto psicologicamente. Aprendi que não basta você ter QI e saber tudo, você tem que ter QE, saber lidar com a pressão, com o cansaço, com as diferenças entre personalidades. Ser humilde! Ser educado! E ser submisso aos seus superiores! Aprendi durante a residência a falar em público e acredito que por isso hoje sou considerada por muitos alunos como uma professora extremamente didática. Tive que explicar muito, ensinar muito, palestrar muito. Quando eu era residente li um trabalho que hoje tenho maturidade para concordar com ele em 100% da sua retórica: durante dois anos de residência, você aprende o que uma pessoa no mercado de trabalho levará dez para aprender! Isso é muito verdade, pois aos 24 anos já sai da residência tão madura e com tanto conhecimento que já foi possível que eu iniciasse um mestrado e já desse aula para pós graduação, onde quase sempre eu era mais nova que os alunos.

P: Quando e porque optou pela especialidade que atua?
R: Optei pela Patologia Clínica no último período da faculdade. Durante toda a graduação, testei várias especialidades fazendo estágio e até o final estava em dúvida entre clínica de felinos ou patologia clínica. Mas comecei a perceber que nos dias que eu tinha estágio no laboratório eu ficava muito animada pra ir trabalhar, enquanto que nos dias que eu tinha estágio na clínica me dava uma preguicinha e as vezes achava mil desculpas para ligar dizendo que não poderia ir. Esse foi o meu click! Eu gostava mesmo do laboratório, gostava de passar o dia fazendo basicamente as mesmas coisas mas tendo resultados diferentes, gostava de ficar fuçando pra descobrir doenças ou células diferentes, gostava de ficar no ar condicionado e com o som ligado. Heheheheh. Gostava de não ter que ficar escutando o proprietário falar que seu animal adora brincar de bolinha? “Quer ver dotor? Olha esse vídeo dele brincando!” Argh! Depois que optei pela Patologia Clínica e passei na residência vi que é uma área muito mais maravilhosa do que eu imaginava. Existem mil possibilidades de trabalho e pouca gente especializada no mercado. É uma área em que você é bem remunerado e trabalha com qualidade de vida.

P: Os focos de quem quer fazer residência ou mestrado são diferentes? Qual o foco de
cada um desses programas?
R: Ah, com certeza. Acredito que um não substitui o outro, são focos bem bem diferentes. A residência serve para você trabalhar. PONTO FINAL! Você vai aprender no dia a dia a partir de uma rotina pesada. Casos diferentes, exames modernos, cirurgias inovadoras e auxilio contínuo de um grupo de professores. O mestrado serve para você estudar e produzir. Você vai escolher um tema dentro de uma especialidade e estudar só aquilo, produzir só aquilo. Vai te preparar para ser pesquisador e docente.

P: Quando resolveu empreender?
R: Quando estava no mestrado percebi como aquela rotina de pesquisa era chata. Sentia muita falta da correria do dia a dia, de diagnosticar doenças diferentes, auxiliar veterinários, ter contato com os animais. Decidi que não faria o doutorado na sequencia e que queria trabalhar. Foi então que uma veterinária entrou em contato comigo. Ela é dona de uma clínica veterinária e disse já ter ouvido falar de mim e queria trabalhar comigo. Propôs que eu montasse um laboratório dentro da clínica dela. Foi aí que comecei a pesquisar sobre abrir a própria empresa. Esse é o sonho de muita gente, mas confesso que é algo muito difícil. Não é simplesmente investir e comprar coisas e fazer tudo do jeito que você quer. Tem muito planejamento, impostos, cálculos, funcionários, administração, marketing, contabilidade, estratégia por trás. Minha empresa tem hoje seis anos e já temos uma segunda sede. Percebi que você não atinge lugar algum sozinho! Precisa de suporte e uma equipe bastante envolvida. Não é nada fácil, mas me sinto realizada.

P: O desafio para começar a empreender foi mais relacionado a recursos financeiros, ou ao medo de não dar certo?
R: O maior desafio para mim não foi nem o medo nem o financeiro. Eu havia me programado bem financeiramente, tinha exatamente X para montar e Y para me manter durante os primeiros meses da empresa. Não tive medo de investir pois sabia que não tinha como dar errado quando a gente faz aquilo que ama e sabe! Meu maior desafio foi conseguir pessoas de confiança para trabalhar comigo e me inserir no mercado. Infelizmente o cenário da veterinária está bastante saturado e pra você entrar e competir no mercado precisa ter algum diferencial dos demais players.

P: Quais são os horizontes de evolução da sua especialidade?
R: A medicina laboratorial tem evoluído demais nos últimos anos. Novos exames e modernização de tecnologias ocorrem a cada ano no segmento. Acredito que a evolução esteja em realizar exames de PCR (reação em cadeia de polimerase), cultivo de células tronco, cultura e identificação bacteriana automatizada de forma mais ampla e de rotina no dia a dia. E os desafios da medicina veterinária? São muitos: concorrência desleal, anti-ética, baixa remuneração, baixa valorização, pessoas pouco interessadas,…. Mas acredito que todas as profissões tem os seus desafios. Então se você realmente gosta da veterinária, de o seu melhor que o sucesso é uma consequência. Sempre digo a minha equipe: Faça o melhor que você pode nas condições que você tem!