5 de Fevereiro: Dia do Dermatologista

A busca por profissionais especializados é uma tendência crescente no mercado veterinário. Dentre essas especializações, uma das que mais obtém destaque é a dermatologia. Com a disseminação do conceito de posse responsável, os tutores modernos procuram cada vez mais por médicos veterinários, principalmente ao notarem algo fora do comum em seu pet.

Na maioria das vezes, sinais na pele são a primeira anormalidade a ser notada pelos proprietários, indicando uma alteração dermatológica.

Por decorrência destes fatores, a dermatologia é uma das áreas que mais vem obtendo destaque dentro da medicina veterinária.

O surgimento da dermatologia veterinária

A dermatologia veterinária deu seus primeiros passos ainda no século XIX, na Áustria, local onde as primeiras publicações foram registradas. No Brasil, a USP foi a pioneira no setor da dermatologia, já oferecendo atendimento clínico-dermatológico há cerca de 2 décadas, sob coordenação inicial do Prof. Dr. Carlos Eduardo Larsson.

Em março de 2000 foi fundada a Sociedade Brasileira de Dermatologia Veterinária, congregando os dermatologistas veterinários de todo o país, visando o aprimoramento técnico e científico da especialização e seus associados.

Problemas dermatológicos

Muitas doenças de pele estão relacionadas a alergias e ectoparasitas (parasitas externos), que são os principais causadores de problemas dermatológicos. “Elas são normalmente causadas por falta de hidratação, limpeza adequada e sensibilidade da pele que fazem com que bactérias, fungos e ácaros se proliferem na pele e pelo causando coceira, lesões e queda dos pelos. Além disso, alguns animais possuem atopia, uma alergia sem causa específica que pode ser de alimentos, shampoo, produtos de limpeza, pó e até pólen das flores”, explica Natália Gouvêa, veterinária da clínica Soft Dogs e Cats.

Algumas raças de cães podem ter maior predisposição a desenvolverem problemas dermatológicos, especialmente os que possuem pelagem longa. Juliana Trigo, analista técnica Pet da Ourofino, empresa integrante da COMAC, alerta que para estes cães, a escovação diária é algo fundamental para a prevenção destas doenças. Alimentos de boa qualidade, banhos frequentes e utilização de um shampoo de hidratação também são fatores importantes quando se trata de prevenção.

A maioria das doenças dermatológicas não apresentam risco de óbito ao paciente, a não ser nos casos de câncer de pele. Entretanto, tentativas terapêuticas mal sucedidas podem agravar o quadro inicial e, ainda, mascarar a real causa primária, dificultando e retardando o processo de resolução da doença, afirma a Dra. Cibele Nahaz Mazzei, dermatologista veterinária.

Mercado de trabalho

De acordo com um levantamento realizado pela COMAC e SIDAN, cerca de 32% da ida de cães ao médico veterinário são por motivos de doenças dermatológicas. Considerando essa porcentagem, podemos concluir que este setor é uma área em ascensão no mercado de trabalho.

A dermatologia veterinária é uma área abrangente e com muitas possibilidades, sendo uma opção interessante para veterinários que estão prestes a ingressar no mercado de trabalho e buscam por uma especialização.

Se interessou pelo assunto? Então clique aqui para acessar o site da Sociedade Brasileira de Dermatologia Veterinária e fique por dentro das últimas atualizações dessa especialidade em expansão na medicina veterinária.

Fontes: DermatopetCanal do PetCOMACSINDAN, SBDV Dra. Cibele Nahaz Mazzei

VeteduKa Cast 2 – Bate papo sobre o tema “Me formei, e agora?!”

Nesse podcast conversamos com um aluno que está se formando, Lucas Brunken Hertel, outro que vai cursar Medicina Veterinária, Luca Scheidt de Oliveira, um veterinário formado e ex residente, João Amadio, e uma veterinária que se formou a pouco tempo e trabalha na área comercial.

Dentre os assuntos abordados focamos mais nos desafios de ser um recém-formado, nos desafios de estar se formando e o que pode ou poderia ter sido feito para melhorar!!

PARTICIPANTES DO PODCAST

João Amadio – Host

Luca Scheidt de Oliveira – Entrevistado

Lucas Brunken Hertel – Entrevistado

Mariana Carnevalle Amadio – Entrevistada

5 dicas para você focar no estudo para a prova de residência

Passar na Residência, assim como entrar na universidade, vem se tornando essencial para atingirmos uma carreira profissional consistente. E, para atingirmos esse objetivo, tempo, dedicação e muitas outras coisas têm que estar na pauta. Pensando nisso, preparamos 5 dicas que podem te ajudar a se preparar para a prova da sua vida!

1. FAÇA DA SUA ESCOLHA UM OBJETIVO

Se quiser passar no vestibular, você deve transformá-lo no seu maior objetivo no momento. Focar nos estudos, é a única maneira de você alcança-lo. Portanto, planeje a sua preparação de maneira antecipada. Use meses anteriores ao concurso, e não dias. Se preparar gradualmente durante todo o ano vai fazer a diferença.

2. SUA FAMILIA DEVE SER O SEU APOIO

O seu estudo depende da compreensão e apoio daqueles que o rodeiam. Quando você passar, todos que vivem com você terão a satisfação de ter um aprovado dentro do lar. Convença-os disso e de que precisa conseguir o máximo de tempo para estudar. A aprovação deve ser uma meta e uma conquista da família. O carinho dos pais e do(a) namorado(a) conforta e diminui o estresse.

3. ABRA MÃO DE ALGUMAS ATIVIDADES
Agora é uma hora de foco em seu objetivo. Não adianta pular de galho em galho. Se seu objetivo é a aprovação, você não irá conseguir se dedicar aos estudos fazendo varias atividades em paralelo. Muitas vezes são necessárias escolhas, e sacrificar algumas atividades, como por exemplo estágios ou trabalhos paralelos.

4. TENHA PACIÊNCIA E PERSEVERANÇA
Somos ansiosos por natureza. Alguns mais, outros menos. As coisas quase nunca acontecem na velocidade de desejamos. Assim, para manter seu foco, enfrente com paciência as adversidades que possam surgir. Ter paciência e perseverança, com certeza irão te levar ao caminho que deseja.

5. INVISTA NA SUA PREPARAÇÃO
Com a crescente procura dos graduados pela residência, a concorrência cresceu exponencialmente. Porém, ainda não é habito na medicina veterinária buscar auxílio em cursos preparatórios ou livros sobre o assunto, como acontece na medicina humana. É provado em estudo cientifico, que um candidato que se preparou com cursos preparatórios, tem uma nota 4 vezes maior do candidato que não cursou. Buscar esse auxílio pode te direcionar de maneira importante a realmente o que estudar, trazendo uma grande revisão sobre a matéria além de te dar diversas dicas.

Como devo me preparar para a prova da Residência?

Preparamos algumas dicas que irão te ajudar a se preparar para a Prova da Residência!

Se preparar para o a prova da Residência Veterinária tem que ser encarado como um projeto, e um projeto que requer persistência. É preciso dedicação, esforço e sacrifícios, e mesmo para uma pessoa que estuda corretamente, a aprovação no processo seletivo pode não ocorrer.

De uma maneira geral, a maior dificuldade na preparação está relacionado ao uso do tempo. Se programar, direcionar e organizar os seus estudos no decorrer de um período estabelecido de tempo, pode fazer grande diferença no resultado final.

Pensando nisso, a VeteduKa foi estudar e traz algumas dicas para te ajudar a se preparar para a grande prova da tua vida.

Ritmo de estudos

É muito comum começarmos a se preparar de uma maneira intensa, e depois com o tempo, vamos pisando no freio, e o rendimento cai significativamente. Outros, iniciam lentamente, mas nunca intensificam. O ideal é mantermos realmente um ritmo cadenciado de estudos. Um ritmo mais lento pode ser aceitável no inicio da preparação, porém com o decorrer do tempo, é necessário que os estudos ganham corpo e ganham um ritmo equilibrado, aonde você possa aproveitar os conteúdos da maneira correta.

Defina uma meta

A meta é muito interessante para você organizar a preparação. Elas devem ser claras e objetivas, como quantidade de horas de estudo e de simulados realizados. Mas o mais importante é: devem ser possíveis de serem cumpridas. Metas exageradas podem não serem factíveis e podem frustar o candidato. Orientamos a criar um calendário de estudos, onde você possa organizar os conteúdos e subdividi-lo diariamente. Só com muita disciplina você poderá atingir o objetivo.

Foco, foco e foco na hora que está estudando.

Cumprir um plano de estudos necessita não somente de organização pessoal, mas de um ambiente completo, tranquilo e sem situações que podem tirar a tua concentração. Desligue a televisão e o celular. Se isolar do mundo nesse momento é de extrema importância para o melhor aproveitamento. Aos poucos você irá se acostumar e as outras pessoas que você se relaciona também

Direcionamento de conteúdo

Quando buscamos realizar um sonho, “abraçar a causa” e se entregar é muito importante, porém não é tudo. Buscar ajuda em cursos preparatórios e material didático é sim necessário. Esse tipo de auxilio, além de trazer conteúdos, faz um papel muito importante que é direcionar o candidato em realmente o que é importante de ser estudado. Há pessoas que se aprofundam demais em um conteúdo e tem a sensação de que nunca aprendeu o suficiente. O estudo não avança e o candidato nunca chega a saber o mais importante de todas as disciplinas. Aprofundar em um determinado assunto é uma etapa posterior de preparação, e não no inicio.

Avaliação de desempenho

Simular provas com questões de concursos anteriores, ou com novas questões preparadas por terceiros, é muito importante para o projeto de preparação para a Residência. Fazer uma análise da pontuação e visualizar quais disciplinas você não conseguiu um bom resultado, pode oferecer um excelente indicador e fazer uma reorganização do plano de estudos, assistindo novamente as aulas dessa disciplina e despendendo um pouco mais de tempo para ela.

Não despreze as disciplinas

Para a aprovação não podemos só estudar o que temos facilidade. Todas as matérias são importantes. Por exemplo, não é porque vou querer a vaga de anestesiologia de pequenos animais que vou deixar de estudar os conteúdos de clínica médica de grandes animais. Ter um ótimo desempenho em algumas matérias não irão suprir os pontos que você irá perder nas questões de disciplinas que você desprezou nos estudos, e pior, isso poderá custar a sua aprovação. Lembre-se, vai cair todo o conteúdo do edital na prova.

Enfim, estudar para a aprovação no processo seletivo da Residência realmente não é nada fácil. Porém, com muita dedicação, disciplina e uma ajuda para direcionamento e conteúdo com certeza  vão fazer diferença no resultado final.

Guia de Programas de Residência em Medicina Veterinária 2020


Guia de Programas de Residência em Medicina Veterinária 2020

Ebook desenvolvido especialmente para você que pretende prestar prova de residência e quer manter-se atualizado.

  • Lista com principais programas de residência, credenciados ao CFMV
  • Programas separados por estados e cidades
  • Links para os sites dos programas
  • Datas dos últimos concursos
  • Número de vagas por área que cada programa oferece

Para fazer o download gratuito, basta preencher o formulário abaixo com suas informações. Após a submissão do formulário, aparecerá o link de download do ebook. Simples assim!

Os 5 benefícios da residência para o seu sucesso profissional

Não há dúvida de que a residência é uma grande porta de entrada para o mercado profisisonal. Conheça aqui como isso é possível.

A estrutura curricular do curso de veterinária, sem nenhuma novidade, é um contrassenso entre uma infinidade de matérias com uma carga horária cada vez mais curta. Falar que conseguimos obter todo o conhecimento que a profissão de médico veterinário necessita, em 5 anos de graduação, não corresponde à realidade, principalmente em termos de qualidade de conhecimento que deveríamos ter ao se formar, devido à nossa imensa responsabilidade.

É notável que, com a evolução da nossa profissão, se especializar dentro das grandes áreas da veterinária, como pequenos animais, grandes animais, inspeção de alimentos, avicultura, e demais áreas, antes uma opção, se tornou uma obrigação para quem deseja alcançar o sucesso profissional.

Porém, ao sair da graduação, as perguntas que sempre nos fazemos é: será que já estou preparado para atuar no mercado de trabalho? Será que tenho vivência prática suficiente para desenvolver um trabalho de tanta responsabilidade que a minha profissão necessita? Será que conheço o meu mercado de atuação e, dentro dele, posso desenvolver um atendimento ao meu cliente adequado, com boa abordagem de negociação dos meus serviços?

Os programas de Residência e Aprimoramento Veterinários podem, com muita propriedade, agregar essas falhas que a maioria das pessoas encontram ao se graduar.

Preparamos um artigo que fala tudo sobre a Residência Veterinária. Clique aqui!

Listamos abaixo 5 motivos que acreditamos ser essenciais ao recém formado, ao passar por um programa de residência ou aprimoramento:

1 – Atendimento ao cliente e negociação dos serviços ofertados.

Dentro da grade curricular da maiorias das faculdades de medicina veterinária, essa questão é deixada um pouco de lado. Poucos são os conteúdos ofertados, e quase nada é visto na rotina prática. Afinal, qual é o personagem dentro de um atendimento clínico em um consultório por exemplo que será decisivo na contratação do seu serviço ofertado?

O tutor do paciente é, sem dúvida, com quem devemos nos relacionar da melhor maneira possível, para que as informações a serem obtidas sejam mais confiáveis, e possamos desenvolver uma evolução diagnóstica com exames complementares e podermos tratar daquele paciente. Se não nos entendermos, não será possível desenvolver o nosso serviço de atendimento, diagnóstico e tratamento ofertado ao tutor. E isso não se consegue de uma hora para outra. Esse entendimento, essa arte que é atender ao cliente, de desenvolver um perfil é construído em cima de experiência de trabalho.

Durante a passagem por um programa de residência ou aprimoramento, com a grande rotina de atendimento, o aluno irá poder desenvolver seu lado mercadológico e aprender a importância em se atender bem o seu cliente para a obtenção de seu sucesso profissional

2 – Vivência Prática

Todos sabemos da dificuldade de estagiar dentro da própria faculdade e/ou em clínicas e hospitais particulares. São poucas vagas e grande concorrência. Ora, se durante a nossa graduação não conseguirmos desenvolver uma vivência prática, como poderemos aplicar de maneira correta os conceitos aprendidos?

Nos programas de residência e aprimoramento, quase a totalidade da carga horária é de vivência prática.  Por exemplo, na área de Clínica Médica de Pequenos Animais, cada aprimorando ou residente deve ser o responsável pelo atendimento de, no mínimo, 750 (setecentos e cinquenta) casos novos por ano.

Podemos, dentro do período do programa, desenvolver habilidades que farão diferença no nosso sucesso profissional. Afinal, como iremos detectar um sopro cardíaco sem termos escutado vários e treinado nossos ouvidos para tanto? Ou realizar uma cirurgia com segurança que pede o procedimento? Ou detectar uma célula neoplásica em um corte histopatológico sem avaliar lâminas e mais lâminas no microscópio? Portanto, essa vivência é mais um ponto que a residência poderá te trazer com muita propriedade.

3 – Orientação

Visto acima que a vivência é uns dos pontos mais importantes de um programa de residência ou aprimoramento, imagine então obter essa vivência sem a condução de um professor orientador? Não faz sentido não é mesmo? Juntando esses dois pontos, é que conseguimos obter o sucesso de aprendizagem prática.

Os programas são compostos por professores orientadores, dentro da área escolhida pelo aluno, com todo o conhecimento teórico e prático capaz de conduzir o aluno na sua evolução dentro do programa. É com ele, por exemplo, que você poderá discutir um caso clínico que atendeu na rotina e compartilhar da sua experiência.

4 – Vivência acadêmica

Dúvidas e mais dúvidas são constantes durante nossa graduação. Muitas vezes não sabemos qual área vamos atuar, ou até mesmo qual especialidade daquela área escolhida. Isso é um processo normal que esclarecerá com o passar dos anos. Após a formação, uma dúvida muito comum é: vou para Residência ou para o Mestrado?

Muito particular, essa dúvida muitas vezes é sanada após alguma experiência vivida, como por exemplo, se matricular em um curso de residência e ali descobrir uma tendência à vida acadêmica, e então partir para um mestrado. É muito comum, ao final da residência já prestar a prova do mestrado e conseguir uma vaga. Com a experiência na residência, muitas vezes esse caminho se torna menos complicado, pois você já está vivendo no meio acadêmico e se relacionando com professores que possam te orientar e até mesmo desenvolver linhas de pesquisa interessantes ao mestrado.

5 – Contratação

Após todo esse processo de vivencia profissional, sem sombras de duvidas, você estará muito mais preparado para o mercado de trabalho, tanto tecnicamente, quanto mercadologicamente. Desenvolveu habilidades técnicas e construiu uma consciência de atendimento ao cliente e valorização profissional.

Agora te pergunto: Será que as empresas da sua área vão valorizar tudo isso?

É fato que hoje, grandes hospitais só contratam médicos veterinários que passaram por um programa de residência ou aprimoramento. Entendem que esse profissional está muito melhor preparado, e pode desenvolver em seus negócios um trabalho agregador e de grande qualidade.

E ai? Faz sentido fazer a Residência Veterinária? Clique aqui e conheça nosso Curso Preparatório para Prova da Residência Veterinária.

O crescimento do mercado veterinário no Brasil

Atualmente o mercado veterinário tem se mostrado cada vez mais presente na economia, não só no Brasil, mas também em escala mundial. Segundo dados do IPB (Instituto Pet Brasil), COMAC (Comissão dos Animais de Companhia), Abinpet (Associação Brasileira de Animais de Estimação) e IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), nosso país cresceu de maneira exorbitante no decorrer desta última década em relação ao mercado pet mundial, provocando um forte balanço na economia e gerando mais oportunidades para empreendedores e veterinários que trabalham com clínica e cirurgia de animais de companhia. Neste artigo abordaremos uma série de dados que mostram este crescimento e daremos alguma dicas de como você, veterinário, pode se beneficiar com estas novas tendências.

MAS O QUE CAUSOU ESTE CRESCIMENTO?

Uma das características mais marcantes do século XXI é o processo de envelhecimento populacional que estamos vivenciando globalmente. No Brasil, não é diferente. Devido a uma série de fatores econômicos e sociais, pessoas estão tendo cada vez menos filhos.

Em contraposição, o número da população de animais de estimação cresce notavelmente. Hoje, os pets ocupam uma posição importante na estrutura familiar, tornando-se um pilar importante neste meio. É cada vez mais comum vermos estes animais deixando de ocupar apenas os quintais e passando a conviver diretamente conosco dentro de nossas casas, sendo considerado por muitos como um membro da família.

Os animais tornaram-se a companhia perfeita para aqueles que optam por não ter filhos e precisam de “alguém” para afastar a solidão e prover afeto.

OS NÚMEROS POR TRÁS DESTA TENDÊNCIA

Segundo dados levantados pelo IBGE em 2018, hoje temos uma população correspondente a 139,3 milhões de animais domésticos no Brasil. A espécie predominante ainda são os cachorros, seguidos por aves e gatos.

No total, foram contabilizados 54,2 milhões de cães, 39,8 milhões de aves, 23,9 milhões de gatos, 19,1 milhões de peixes e 2,3 milhões de pequenos mamíferos e répteis. Estes números indicam um aumento de 5,2% na população de animais domésticos em relação a 2013, quando o último levantamento havia sido feito pelo IBGE, contabilizando 132,4 milhões de animais.

Dentre todos os animais citados, o maior destaque fica para os gatos, que obtiveram um aumento populacional de 8,1% desde 2013.

Segundo a Abinpet, hoje o Brasil abriga a 2ª maior população de animais domésticos do mundo, ficando atrás apenas dos Estados Unidos, que lideram o ranking.

MERCADO PET

Com o crescente aumento da população de animais de companhia, a comercialização de serviços relacionados a pets também acompanha este movimento . Hoje temos mais de 40 mil petshops espalhados pelo Brasil e outros serviços como funerais, adestramento e centros recreativos para animais (popularmente conhecidos como “creches”) tornam-se mais comuns.

Com o maior acesso à informação que temos hoje, tutores buscam cada vez mais por serviços que ofereçam cuidados para o seu animal de estimação. Portanto, ainda há um leque com muitas possibilidades a serem exploradas neste setor.

Segundo a Abinpet, em 2018 o Brasil obteve um faturamento de R$ 20,3 bilhões no mercado pet, 9,8% a mais que em 2017 e com previsão de aumento para o fechamento de 2019.

Atualmente o Brasil possui o 2º maior mercado pet do mundo, com 6,4% de participação, ficando atrás apenas para os Estados Unidos, com 50%.

Esses número são promissores não somente a empreendedores que já possuem ou desejam abrir um novo negócio na área, mas também para veterinários, já que cerca de 68% desses locais exercem atividade mista, ou seja, possuem clínica ou consultório integrados com o petshop.

ATUAL PANORAMA DA FORMAÇÃO EM MEDICINA VETERINÁRIA

O médico veterinário exerce uma importante função em meio à estes índices de crescimento do mercado e da população de animais. A profissão vem se tornando cada vez mais almejada e aos poucos é entendida pela sociedade como um importante fator para a manutenção da saúde única, sabendo que o cuidado com a saúde animal reflete diretamente na saúde humana.

Segundo dados providos pelo Conselho Federal de Medicina Veterinária, hoje o Brasil é o país com o maior número de veterinários ativos, tendo mais de 80 mil profissionais.

Este número tende a continuar crescendo, pois atualmente temos cerca de 5 mil recém-formados ingressando no mercado de trabalho todos os anos e aproximadamente 190 instituições que oferecem a graduação em medicina veterinária.

CLÍNICA DE PEQUENOS

Dentre todas as área contempladas pela nossa profissão, a clínica de animais de companhia ainda é o estereótipo mais comum quando se imagina um médico veterinário. Este ponto de vista não é totalmente errôneo, considerando que mais da metade dos formandos decidem trabalhar com clínica de pequenos animais.

Como é de se esperar: quanto maior o número de profissionais atuando no mesmo setor, maior será a concorrência. Entretanto, são promissoras as expectativas para quem deseja iniciar sua carreira neste setor do mercado veterinário.

O surgimento de novos empregos na área da saúde veterinária é consequência do constante crescimento do mercado e da população pet. De acordo com uma pesquisa realizada em 2018 pela COMAC, os gastos com tratamentos de saúde para animais domésticos atingiram 11,9 bilhões e com tendência de aumento para o fechamento de 2019.

Cirurgia de um gato

A MUDANÇA DO PERFIL DOS TUTORES E COMO ISSO NOS INFLUENCIA DIRETAMENTE

Devido ao fácil acesso à informação que temos hoje, os proprietários de animais domésticos vêm se tornando mais conscientes quanto à posse responsável. Um exemplo disso é que nos últimos 4 anos a porcentagem de animais castrados saltou de 39% para 56%, segundo estudos realizados pela COMAC. 

Em poucas palavras: os tutores vêm se tornando cada vez mais preocupados em manter seus animais saudáveis, com qualidade de vida e longevidade.

Pode-se dizer que o “tutor moderno” está se tornando cada vez mais exigente na busca por um médico veterinário, almejando profissionais que possam atender a todas as necessidades de seu pet com o mesmo nível de excelência e profissionalismo que ele esperaria se estivesse buscando um tratamento de saúde para si mesmo.

IMPORTÂNCIA DAS ESPECIALIZAÇÕES NO MERCADO VETERINÁRIO

Hoje, as especializações são vistas como um diferencial no mercado de trabalho veterinário, entretanto, a tendência pela busca de profissionais melhor qualificados é algo que irá persistir no decorrer dos próximos anos. No futuro de nossa profissão, ter uma pós-graduação será praticamente uma exigência para quem deseja ingressar no mercado, principalmente na área de pequenos, onde o maior número de veterinários está agrupado.

Uma opção interessante para quem está saindo da faculdade são os programas de residência veterinária. Neles, o recém-formado poderá sentir na prática como é a real rotina de um médico veterinário e ao mesmo tempo estar sob supervisão de professores, podendo assim iniciar sua carreira com maior segurança no trabalho.

CONCLUSÃO

Mesmo em meio à crise, os índices do mercado veterinário/pet não pararam de crescer nos últimos anos. De modo amplo, podemos dizer que são otimistas as expectativas para o futuro de nossa profissão, levando em consideração todas as mudanças que estão ocorrendo e a valorização do médico veterinário na sociedade.

Assim como citamos anteriormente, as especializações se tornarão cada vez mais um fator definitivo para aqueles que querem seguir carreira na área clínica de pequenos. Portanto, se você está cogitando fazer veterinária ou está em formação, isso é um assunto importante para se pensar.

Esperamos que as informações contidas neste artigo puderam ser úteis para lhe dar um panorama atual sobre a nossa profissão. O crescimento da medicina veterinária no Brasil é algo que está acontecendo através de profissionais apaixonados que buscam sempre dar o melhor de si para proporcionar qualidade de vida aos seus pacientes. Vista o seu jaleco e vamos juntos contribuir cada vez mais para a evolução da medicina veterinária em nosso país!

Fontes: SidanIPBComacAbinpetGazeta do PovoIBGE e Bio Brasil.