31 de julho: dia do vira-lata

cão vira-lata

No Brasil, os vira-latas com certeza se tornaram um ícone entre os animais de estimação e são os queridinhos de muitas famílias. Também conhecidos como SRD’s (sem raça definida), os vira-latas não possuem origem genética determinada, resultando na cruza de duas ou mais raças diferentes. Segundo uma pesquisa realizada pelo Instituto QualiBest, a “raça” está presente em cerca de 41% dos lares brasileiros.

Características

Os vira-latas são verdadeiras caixinhas de surpresa! Por não existirem padrões genéticos em suas linhagens, não há como apontar padrões de cor, pelagem, tamanho e temperamento.

Em geral, podemos dividir os vira-latas em quatro categorias: híbridos (com duas raças conhecidas), mestiços (que apresentam traços de uma ou duas raças), funcionais (criados com um propósito específico) e vira-latas de fato, que resultam no cruzamento de várias raças misturadas, sendo este o tipo mais comum encontrado nas ruas.

Devido a essa grande diversidade, as chances de você encontrar dois SRD’s iguais são muito pequenas. Se você busca um animalzinho único e especial, um vira-latatinha com certeza é uma opção interessante para você!

De onde o termo surgiu?

Acredita-se que o nome “vira-lata” tenha surgido devido aos animais de rua que precisam constantemente revirar lixos e latas para encontrar comida. Com o passar do tempo, o termo passou a ser usado de maneira pejorativa, como a expressão “complexo de vira-lata”, criada pelo escritor Nelson Rodrigues, que teorizava um complexo inferioridade sentido pelos brasileiros em relação ao resto do mundo. Entretanto, essa conotação negativa está sendo desmitificada e hoje os vira-latas são a paixão de muitas pessoas.

Os vira-latas são mais resistentes à doenças?

Em partes, sim. Ao contrário de cães de raça, que se reproduzem com indivíduos de genes semelhantes, seguindo um padrão de traços hereditários, os vira-latas possuem alta variabilidade genética. Além disso, boa parte dos SRD’s vêm das ruas, onde somente os filhotes mais fortes conseguem sobreviver, precisando sempre buscar por alimento ou até mesmo lutar por ele.

Entretanto, isso não significa que os vira-latas não fiquem doentes. Como não possuem padrões de linhagem genética ou pedigree, não há como generalizar as características do sistema imunológico ou pré-disposições de cada um. Portanto, assim como em qualquer outra raça, o acompanhamento veterinário é fundamental.

Curiosidades

Por grande parte da população dos SRD’s viverem em situação de rua, o olfato dos vira-latas costuma ser muito aguçado, conseguindo detectar e distinguir diferentes odores, característica desenvolvida para a sobrevivência, os possibilitando encontrar alimentos em sacos e latas de lixo.

Os vira-latas brasileiros são únicos (literalmente). O tipo de vira-latas que conhecemos existem somente no Brasil. Os SRD’s de outros países costumam ter menos misturas, tendo as suas raças traçadas como subdivisões da cruza, como por exemplo: o bassetoodle, cruza entre basset hound e poodle.

Gostou da leitura? Acesse o nosso blog para ler mais artigos como este!